Anvisa amplia número de voluntários para testar vacina de Oxford

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou ampliar para 10 mil pessoas o número de participantes dos testes com a vacina de Oxford no Brasil. Inicialmente os testes no país previam a participação de 5 mil pessoas. 

A vacina recebeu este nome por ser desenvolvida em um consórcio com pesquisadores da universidade inglesa de Oxford. O laboratório por trás dos testes é o também britânico AstraZeneca.

Além do acordo para aquisição e fabricação do imunizante no país, o Brasil é uma das nações onde os testes estão sendo realizados. A instituição responsável por conduzir as análises com voluntários brasileiros é a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Até o momento, os testes eram realizados em São Paulo, no Rio de Janeiro e na Bahia. Com a ampliação do número de participantes, o imunizante será testado também no Rio Grande do Sul e no Rio Grande do Norte.

A Agência reguladora permitiu também que o consórcio amplie a faixa etária dos participantes do ensaio clínico. Com isso, serão incluídos entre o rol de voluntários pessoas com idades acima de 69 anos.

Acordo

O governo federal fechou um acordo para a aquisição de insumos visando a fabricação da vacina no Brasil. Pelo plano inicialmente adotado, seriam adquiridos princípios ativos para 30 milhões de doses até o início do ano que vem e a transferência de tecnologia para a fabricação pela Fundação Oswaldo Cruz de mais 70 milhões de unidades do imunizante no ano que vem.

Há uma semana, o laboratório AstraZeneca suspendeu os testes com a vacina, em razão de reações adversas em um voluntário na Inglaterra. No sábado (12), a Autoridade Sanitária do Reino Unido autorizou a retomada dos testes e ontem o estudo recomeçou também no Brasil.

Crédito com juros menores para microempresários movimenta R$ 7 milhões

Uma parceria entre a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e a Caixa Econômica Federal viabilizou a assinatura de 35 contratos, no valor total de R$ 7 milhões, com o apoio dos fundos Garantidor para Investimentos (FGI) e de Garantia de Operações (FGO), para micro e pequenos empresários de todo o país.

Entre os benefícios, as linhas de financiamento possibilitaram uma redução dos juros de até 28%, se comparada à taxa de balcão, além de carência de até 60 meses para pagamento. Os recursos podem financiar capital de giro e bens de consumo duráveis. Os interessados podem acessar aqui a página eletrônica da parceria, que está aberta a novos empréstimos.

De acordo com a CNI, os R$ 7 milhões representam a soma dos R$ 5,3 milhões liberados na fase piloto do projeto, em julho, com recursos do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), e de R$ 1,7 milhão operacionalizados pela rede do Núcleo de Acesso ao Crédito (NAC), presente em 22 estados, desde o lançamento da parceria, em 25 de agosto. 

Além das condições especiais de juros e pagamento, as indústrias que contratararem o financiamento contarão com o apoio de profissionais especializados do NAC para orientação financeira a fim de identificar a melhor alternativa de crédito ofertada.

O pacote de benefícios inclui ainda o Cartão Empresarial, com isenção da primeira anuidade para empresas com domicilio bancário de recebíveis na Caixa e seis meses de isenção total ou 12 meses com 50% de isenção para adesão na cesta de serviços para novos correntistas ou correntistas sem cesta.

Essas condições estão sujeitas à análise de risco de crédito e disponibilidade de recurso, bem como são válidas para empresas que tenham 12 ou mais meses de faturamento e garantias compatíveis com as exigidas, que variam de acordo com a linha de crédito, informou a CNI.

O programa oferece três linhas de crédito: Capital de giro pós-fixada, destinada a empresas com faturamento anual fiscal superior a R$ 360 mil, com juros a partir de 0,83% ao mês mais Taxa Referencial (TR), prazo de até 60 meses e carência automática de três meses; Capital de giro prefixada, voltada a micro e pequenas empresas, com juros a partir de 1,19% ao mês, prazo de 48 meses e carência automática de três meses; e BDC – Bens de Consumo Duráveis com taxa pós-fixada, com juros a partir de 0,92% ao mês, prazo de até 60 meses e até seis meses de carência.

Para ajudar o empresário a escolher qual a melhor opção, a CNI produziu cartilhas com orientações. Em se portal, a CNI também oferece atendimento personalizado por profissionais, diretamente no canal do NAC.

Coluna – O que esperar dessa nova Libertadores?

E a Copa Libertadores da América está de volta. A Conmebol marcou para esta terça-feira (15) quatro jogos que ocorrerão no Brasil (Santos x Olimpia) , Peru, Bolívia (Jorge Wiltermann x Athletico-PR) e Chile. E qual a notícia de mais impacto para esse dia? O fato de o Boca Juniors, da Argentina, ter sido liberado para viajar para o Paraguai, onde joga na quinta-feira (17), mesmo com cerca de 15 de seus jogadores infectados pelo novo coronavírus (covid-19). 

Como concordar com uma atitude dessas? Não é possível priorizar a questão esportiva em detrimento da sanitária. Por mais protocolos de segurança que tenham sido impostos pelas autoridades locais e pela Conmebol, como explicar para o povo paraguaio que ele pode ficar tranquilo, que nada vai acontecer de errado?

Dados publicados no site da Organização Mundial da Saúde (OMS), com números atualizados até segunda-feira (14), mostram que, na América do Sul o Paraguai ocupa a nona posição na lista de dez países com casos confirmados de covid-19: são ao todo 27.817 infectados e   525 mortes registradas. Em último lugar está o Uruguai, com 1.808 casos confirmados da doença  e 45 mortes. O Uruguai se destaca entre os países que melhor soube combater a disseminação da covid-19, com sacrifício da economia e, claro, da população. E agora o futebol permite a entrada no país de pessoas com resultado positivo para o vírus? Dizem as autoridades médicas que esses jogadores não transmitem mais a doença, mas dá para confiar, com tanta desinformação circulando sobre a covid-19?

Isso é um fato apenas. Porque, certamente, teremos muitos outros. São dez países, com situações bem diversas. Peru e Colômbia tiveram mais de 700 mil casos e registro superior a 22 mil mortes cada um. E,  é óbvio que não podemos esquecer de nós, que também vamos receber essas equipes do continente.

Como se não bastasse tudo isso, há o aspecto esportivo. Foram seis meses de paralisação, e pouquíssimos clubes escaparam sem prejuízo desse período. Aqui no Brasil, por exemplo, o Grêmio e o Athletico-PR passam por momentos difíceis no Brasileirão. O Flamengo não mostra nem de longe o futebol que o levou ao título ano passado. Palmeiras, Santos, Internacional e Atlético Mineiro estão irregulares e não dá para a gente dizer que são favoritos em seus jogos.

Mas, e os rivais? Os mais tradicionais, como argentinos, uruguaios e chilenos, também não estão no ápice de suas condições e os tropeços são esperados. E, assim, prever algo nessa Libertadores é um palpite no escuro.

É bom lembrar que algumas regras mudaram, como o número de substituições, a inscrição de jogadores e, pasmem, a possibilidade de um árbitro local ser escalado em alguma partida. Para quem duvida do árbitro de vídeo (VAR), imagine como será uma marcação duvidosa de um árbitro “da casa”, numa Libertadores onde o passado de arbitragens suspeitas a condena?

E, antes que eu esqueça, você sabe de que forma assistirá aos jogos da Copa Libertadores? Porque isso também mudou e, de repente, você terá de pagar um pouco mais para ver o seu time jogar. Minha dúvida é se vai valer a pena.

* Por Sergio du Bocage, apresentador do programa “No Mundo da Bola”, da TV Brasil

Termina amanhã prazo para partidos definirem candidatos às eleições

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) informou que termina nesta quarta-feira (16) o prazo para os partidos realizarem convenções internas para escolher os candidatos que vão disputar os cargos de prefeito, vice-prefeito e vereador nas eleições municipais de novembro. A Justiça Eleitoral espera receber mais de 700 mil registros de candidaturas no pleito deste ano.

O prazo está previsto na Lei das Eleições e deveria ter sido encerrado em agosto. No entanto, o período das convenções foi prorrogado por 42 dias devido ao adiamento das datas do calendário eleitoral em função das complicações da pandemia da covid-19.

O Congresso adiou o primeiro turno das eleições deste ano de 4 de outubro para 15 de novembro. O segundo turno, que seria em 25 de outubro, foi marcado para 29 de novembro.

Nesta semana, outra data também deve ser seguida pelos partidos, candidatos e pela imprensa. A partir de quinta-feira (17), as emissoras de rádio e de televisão estão proibidas de dar tratamento privilegiado a candidatos e de veicular e divulgar crítica a candidato ou partido político.

A íntegra do calendário eleitoral pode ser acessada no site do TSE.

Míssil brasileiro de longo alcance está em fase final, diz ministro

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, disse hoje (15), em Manaus, que o projeto de criação de um míssil brasileiro capaz de percorrer 300 quilômetros de distância até seu alvo final está “em fase final de desenvolvimento”.

“Falta muito pouco para ele complementar a artilharia de foguetes do Exército brasileiro, dando-nos um poder dissuasório muito grande”, respondeu o ministro ao ser perguntado sobre o atual estágio de produção do Míssil Tático de Cruzeiro AV-TM 300 – cujo desenvolvimento, junto com o Foguete Guiado SS-40, faz parte do Projeto Estratégico Astros 2020, lançado em 2011, durante o governo Dilma Rousseff, que, à época, concedeu R$ 45 milhões de crédito para aquisição de todo um novo sistema com alta mobilidade e capaz de lançar mísseis e foguetes a longas distâncias.

Com alcance de até 300 quilômetros de distância e uma precisão de até 30 metros, o armamento desenvolvido pela companhia nacional Avibrás ampliará o poderio bélico brasileiro, podendo ultrapassar os limites do território nacional e atingir alvos estratégicos muito além da capacidade dos foguetes hoje em uso no Brasil. Atualmente, a família de foguetes Astros compreende quatro modelos com menor alcance que variam entre 30, 40, 60 e 80 quilômetros.

O principal objetivo do AV-TM 300, conforme sugere o ministro ao mencionar o “poder dissuasório” do armamento, é desencorajar eventuais ameaças externas. Além disso, o projeto Astros 2020 prevê outras iniciativas para dotar o país de “meios capazes de prestar um apoio de fogo de longo alcance, com elevada precisão e letalidade”. Entre estas iniciativas está a implantação de unidades militares de mísseis e foguetes, de um centro de instrução e de bases administrativas.

A previsão inicial era de que as primeiras unidades do AV-TM 300 fossem entregues ao Exército ainda este ano, mas ao ser questionado sobre os prazos, Silva respondeu acreditar na “possibilidade” de serem entregues entre 2021 e 2022.

Exercício

Uma bateria do sistema de lançadores múltiplos de foguetes Astros 2020, já em uso pelo Exército, foi deslocada de Formosa (GO), a cerca de 90 quilômetros do centro de Brasília (DF), até a região de Manaus, onde, até o próximo dia 23, efetivos das Forças Armadas participam de um exercício militar coordenado pelo Exército.

Batizado de Operação Amazônia, o treinamento envolve cerca de 3.600 militares, e simula um ataque externo à região amazônica. “Fiquei impressionado com a concentração estratégica dos meios, particularmente do Exército brasileiro”, comentou o ministro da Defesa, que chegou ontem (14) à região para acompanhar o exercício militar.

De acordo com Silva, foram necessários dois meses para transportar a bateria do sistema de lançadores de foguetes pertencente ao 6º Grupo de Mísseis e Foguetes de Formosa até próximo a capital amazonense. “Foram dois meses de deslocamento até ele ser posicionado nos pontos para treinamento. O que demonstra a mobilidade dos meios do Exército.”

Presente no exercício, o comandante do Exército, Edson Leal Pujol, destacou a importância dos militares brasileiros estarem aptos a atuar na região. “A preparação para estarmos aptos a defender este rincão da Nação é extremamente importante. É um esforço muito grande, mas é nosso dever para com a sociedade brasileira nos prepararmos e treinarmos para se, um dia, houver a necessidade de defendermos nossa Amazônia. Por tudo que ela representa em termos de riquezas minerais, biodiversidade, para a economia e para a vida dos brasileiros”, disse Pujol.

MME e BNDES buscam recursos para projeto de luz para a Amazônia

O Ministério do Meio Ambiente e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social assinaram um acordo com o objetivo de permitir a captação de recursos para financiar o Programa Mais Luz para a Amazônia (MLA).

O objetivo do projeto é levar energia renovável, especialmente de fonte solar, a 82 mil famílias em áreas remotas da região. No total, a estimativa do MME é que o programa beneficie mais de 350 mil pessoas. O custo total está orçado em mais de R$ 3 bilhões.

As verbas serão utilizadas em duas frentes. A primeira envolve o apoio às distribuidoras de energia elétrica para a expansão da oferta de luz na região. A segunda está vinculada ao auxílio a comunidades na Amazônia para desenvolvimento de iniciativas de atividades produtivas sustentáveis.

Entre os propósitos da parceria está a facilitação dos investimentos, reduzindo obstáculos para que agentes externos possam participar contribuindo no aporte de verbas que auxiliem o custeio das ações previstas para a iniciativa.

As duas instituições buscarão linhas de financiamento internacionais, como o Green Climate Fund (GCF). Caso obtenham êxito com esta fonte, as empresas integrantes do programa podem conseguir um “selo verde”, uma espécie de certificação que sinaliza a participação no Programa.

Eliminatórias: Conmebol confirma datas e Fifa garante força máxima

A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) confirmou a realização das duas primeiras rodadas das eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022 nos dias 8 e 13 de outubro. As datas foram ratificadas em uma reunião, por videoconferência, que também reuniu o presidente da Fifa, Gianni Infantino, e os mandatários das associações da América do Sul, como a Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Um novo encontro está previsto para a próxima quinta-feira (17).

O Brasil estreará nas eliminatórias diante da Bolívia, em casa. Em seguida, enfrentará o Peru, em Lima. Segundo o comunicado divulgado pela Conmebol nesta terça-feira (15), Infantino garantiu que a Fifa “fará cumprir os regulamentos que obrigam os clubes a liberarem os jogadores a favor de suas respectivas seleções” para que “cada uma delas possa dar o seu máximo potencial na competição”. A nota também diz que medida atende um pedido das confederações sul-americanas.

Isso significa que os atletas que atuam no exterior e forem convocados terão de ser liberados por seus clubes para as eliminatórias, o que pode gerar um impasse, pela necessidade de que cumpram uma quarentena ao retornarem aos países onde moram, devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19). Com isso, o desfalque aos respectivos times pode ir além do período destinado aos jogos de seleções, a chamada data Fifa.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), entre os 10 países com mais casos da doença no mundo, cinco estão na zona de abrangência da Conmebol: Brasil, Peru, Colômbia, Argentina e Chile. Em maio, a OMS apontou a América do Sul como novo epicentro mundial do vírus.

Em março, quando a realização das partidas ainda não tinha sido alterada pela pandemia, o técnico Tite chamou 24 atletas para os duelos com Bolívia e Peru, sendo que 17 atuavam no exterior. Se o treinador fosse repetir a lista agora, seriam 18, já que o atacante Everton, à época no Grêmio, transferiu-se para o Benfica (Portugal). Já no caso de atletas que jogam no Brasil, os compromissos pelas eliminatórias deverão desfalcar as equipes do Campeonato Brasileiro entre a 14ª rodada (marcada para 7 de setembro) e a 16ª rodada (14 de setembro).

Covid-19: rally de Ibitipoca Off Road, em Minas, é adiado para 2021

O Ibitipoca Off Road (IOR) não vai acontecer em 2020 como estava programado. A 31ª edição, de uma das mais tradicionais competições brasileiras de rally de regularidade, foi adiada para o ano que vem, devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19). Inicialmente, o evento que aconteceria em Juiz de Fora (MG) estava marcado para agosto deste ano, depois foi remarcado para outubro, e, agora, definitivamente foi reagendado para ocorrer nos dias 31 de julho e 1° de agosto de 2021.

Em uma publicação nesta terça-feira (15) no Instagram, os organizadores explicaram as razões do adiamento do evento, batizado este ano de Edição de Ouro, que comemoraria os 30 anos de existência da prova. 

“Essa decisão foi tomada pensando na segurança de todos vocês, centenas de pilotos e navegadores inscritos, amigos, parceiros, autoridades, população local e imprensa. Se ao longo de 30 anos da nossa trajetória o crescimento gradativo do IOR é atribuído, entre outros fatores, à integração com autoridades civis e militares, entidades ambientais e tudo que envolve o rally, consideramos prudente anunciar o adiamento. Diante de tantas incertezas, enquanto não pudermos oferecer a vocês o Ibitipoca Off Road no padrão que vocês conhecem e merecem, teremos que esperar. Em virtude da atual pandemia de covid-19, o 31º Pro Tork Ibitipoca Off Road está oficialmente adiado para o ano de 2021”, diz o comunicado.

A organização do evento esclareceu ainda que todos os pilotos que haviam confirmado suas inscrições, já estarão garantidos no evento do ano que vem, não sendo necessário qualquer procedimento. A prova será disputada em duas etapas. Na primeira, os participantes largam em Juiz de Fora e seguem até o distrito de Conceição do Ibitipoca, localizado no município de Lima Duarte (MG). Já na segunda, eles fazem o caminho inverso. Vence a competição quem conquistar o maior número de pontos somando as duas partes da disputa.

PGR e MPT elogiam decisão do STF que mantém lista do trabalho escravo

O procurador-geral da República, Augusto Aras, e o Ministério Público do Trabalho (MPT) elogiaram hoje (15) a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que manteve a divulgação da lista de empresas punidas por manter trabalhadores em condição análoga à de escravidão, a chamada Lista Suja do Trabalho Escravo. 

Em nota, Aras e o procurador-geral do Trabalho, Alberto Balazeiro, consideraram que a decisão da Corte foi exemplar e cumpre o mandamento constitucional da publicidade e de transparência dos atos da administração pública. 

No dia 9 deste mês, em memoriais entregues aos ministros do STF, a PGR e o MPT afirmaram que a divulgação da lista permite o acompanhamento de políticas públicas e estimula a responsabilidade social das empresas. 

“O cadastro de empregadores que tenham submetido trabalhadores a condições análogas à de escravos viabiliza o aprofundamento de estudos acadêmicos a respeito da matéria, permite o acompanhamento e controle do cumprimento da legislação trabalhista no âmbito das cadeias produtivas na economia brasileira”, afirmaram os procuradores. 

A legalidade da lista foi questionada pela Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc). Entre outros pontos, a Abrainc argumentava que a divulgação em si já geraria prejuízo e uma espécie de nova sanção administrativa, sem direito a defesa. Segundo a entidade, isso violaria direitos fundamentais dos empregadores, entre os quais o de livre iniciativa. E, pelo caráter de punição, a divulgação da lista somente poderia ter sido estabelecida por lei aprovada no Congresso, argumentou a associação.

Pela primeira vez, assembleia geral da ONU é realizada virtualmente

Teve início nesta terça-feira (15) a 75ª sessão da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU). Em virtude da pandemia de covid-19, esta será a primeira vez na história que a assembleia será realizada virtualmente. Os eventos estão sendo transmitidos ao vivo pela internet na Web TV das Nações Unidas.

O debate geral, que reúne líderes mundiais, será realizado a partir da próxima terça-feira (22). Neste ano, os discursos serão online. Cada Estado-membro, Estado observador e a União Europeia foram convidados a enviar um vídeo pré-gravado, que será exibido no salão da assembleia geral. Tradicionalmente, o Brasil é o primeiro país a discursar.

Apesar do convite para apresentação de falas gravadas, qualquer líder mundial tem o direito de fazer seu discurso de abertura diretamente da sede da ONU em Nova York.

O mesmo procedimento se aplicará a uma série de sessões especiais de alto nível programadas para o evento, incluindo uma comemoração do 75º aniversário das Nações Unidas, uma cúpula sobre biodiversidade; e uma reunião para comemorar e promover o Dia Internacional pela Eliminação Total das Armas Nucleares.

Tradicionalmente, centenas de eventos são realizados à margem do debate da ONU. No entanto, o presidente da assembleia geral, Tijjani Muhammad-Bande, escreveu, em uma carta aos estados, que “todos os eventos paralelos foram transferidos para plataformas virtuais, a fim de limitar a presença e o número de pessoas no prédio da ONU”.